ALTERAÇÕES OCULARES DURANTE A GESTAÇÃO

Cuidados com os olhos
11 de julho de 2018

Por

ALTERAÇÕES OCULARES DURANTE A GESTAÇÃO

A gravidez está associada a diversas mudanças envolvendo múltiplos órgãos, incluindo os olhos. Isso deve-se principalmente a variações hormonais. Entre os problemas oculares mais comuns durante as gestações estão as alterações fisiológicas como:

  • Síndrome do Olho Seco, com sensação de areia nos olhos;
  • Diminuição de sensibilidade corneana;
  • Intolerância a lentes de contato;
  • Diminuição de pressão intraocular, principalmente, no terceiro trimestre.

Mudanças de grau por alterações de acomodação e na espessura e curvatura corneanas podem levar ao embaçamento visual, dores de cabeça e tontura – e podem ocorrer inclusive durante a lactação. Essas mudanças podem ser temporárias ou duradouras. Por esses motivos é interessante esperar alguns meses após o parto para a prescrição de novos óculos. A gestação também é contraindicação para cirurgias refrativas.

DOENÇAS PRÉ-EXISTENTES

Você sabia que a gravidez pode alterar o curso de doenças oculares pré-existentes? Além disso, é considerada fator de risco importante para a progressão de retinopatia diabética prévia. Uveítes crônicas ou recidivantes podem melhorar devido ao estado de imunossupressão e altos níveis de corticoides durante a gestação.

Há doenças oculares que podem agravar-se no início da gravidez, mas decorrer com melhora a partir da metade da gestação. Estudos realizados com grávidas portadoras de alta miopia concluiu que a manobra de Valsalva, durante o trabalho de parto normal, não resulta em complicações oculares.

ALTERAÇÕES OCULARES DURANTE A GESTAÇÃO

MUDANÇAS PATOLÓGICAS DA GESTAÇÃO 

Pré-Eclampsia

Embora rara, a pré-eclâmpsia ainda é uma importante causa de baixa visual durante a gravidez e pós-parto. Ocorre geralmente depois da 20ª semana de gestação e trata-se de um estado de hipertensão induzida pela gravidez. Os sintomas oculares mais comuns são a perda temporária da visão, maior sensibilidade à luz, diplopia, visão embaçada e formação de halos ou flashes. Caso a gestante apresente qualquer um desses sintomas oculares, o ideal é procurar um oftalmologista imediatamente. Em muitos casos é necessário realizar a avaliação em conjunto com o obstetra. Queixas visuais devem ser consideradas um sinal iminente de convulsão em pacientes com pré-eclâmpsia!

Coriorretinopatia serosa central, crescimento de tumores de coróide, cegueira cortical, oclusão de artérias e veias retinianas, trombose venosa cerebral, neuropatia óptica isquêmica e neurite óptica são outras patologias também raras que podem ocorrer durante ou imediatamente após a gestação. Sendo assim, é essencial o seguimento oftalmológico durante a gestação. No primeiro trimestre para a detecção de potenciais riscos oftalmológicos e planejamento (gestantes diabéticas ou com outras doenças sistêmicas ou oftalmológicas prévias).

Em caso de qualquer sintoma visual: olhos secos, embaçamento visual, perda temporária da visão, maior sensibilidade à luz, diplopia e fotopsias, procure um médico oftalmologista.

Após o parto, para refração, quando há maior estabilidade do grau é importante lembrar que mesmo os colírios apresentam absorção sistêmica e podem apresentar efeitos colaterais ao bebê. Por isso, sempre consulte um oftalmologista antes da administração de qualquer medicamento durante a gravidez e lactação!

Responsável: Dra. Aline Ruppert | CRM: 156.560

Confira essa e muitas outras dicas na nossa página do Facebook.


Deixe uma resposta

*